Por una cabeza

Da última visita, lembro apenas do tango. Romântico, dançamos, foi seu adeus. Ficaram os restos e o cheiro de despedida já começa a me dar ânsia.

Refiz nossos passos, as roupas perdidas pelo corredor, não recolhi. Na parede, as manchas do seu batom delatavam os detalhes da nossa noite. A porta, deixada entreaberta, esconde o que eu não quero lembrar. A mesa ainda tem a sobra do jantar; as garrafas de Rutini marcaram os cantos em que nos encostamos, as taças sujas de vinho indicam o começo de tudo. Não houve tempo para o café, não houve pausas.

Também não houve saudade. Sua ausência me alivia o peito. Não há o que chorar. A noite acabou, junto com o jantar, com o vinho, com o desejo. O amor foi embora com seu perfume, suas roupas, com seu gozo. Você morreu na última nota de Gardel.

Conto originalmente publicado em Coletivo Claraboia.

Anúncios