Conto “Reza braba”, em Mix Cultural

Foto: Nay Santos
Foto: Nay Santos

o moço tá certo de que é isso memo que vai querê? sabe que num tem vorta, num sabe? o que o moço tá pedino é coisa das antiga, das braba, daquelas que mãe Maria é que fazia, e só pros sinhozinho purque batia nos fio dela, purque judiava e botava largado, estrupiado nos tronco noite interinha.

se eu sei comé pra fazê? sei sim, mas num gosto. isso é coisa das forte, prá derrubá burro chucro e num dexá levantá otra veiz. e ocê que se apronte purque vai mexê com coisa pra vida toda, mardade assim num dá pra desfazê, não.

mãe Maria num tinha dó, não, inda ria da desgraçada que pegava nos parente tamém, véio que morria, muié que ficava doente, perdia os fio, num embarrigava de jeito nenhum. só num pegava nas criança, que num tem curpa das bestera dos otro, mas se já era grande, pegava nelas tamém. os gado, as plantação, eles morria tudo, teve veiz que num sobrô nadinha, os diacho ficaro tudo sem tê o que comê. mãe Maria só dava deboche purque ela sabia cuidá dos pedido de mandinga que vinha dipois.

o moço que preste atenção purque só vô falá u’a vez: ocê num pode se arrependê, ou vorta tudo pro moço, e vorta duas veiz mais forte, purque num é pra se fazê sem precisão. ocê tamém vai sofre um cadinho, vai passá aperto ruim, sempre pega em quem mandô e banho ninhum resorve, num adianta vortá aqui pra pedi ajuda que num vô podê fazê é nada, ilê ninhum vai te ajudá.

agora o moço óia bem pra mim e diz: posso começá?

Coluna Verso&Foco

Anúncios